quinta-feira, 26 de abril de 2012

Contas do governo têm superávit de R$ 33,7 bilhões no primeiro trimestre

As contas do governo registraram um superávit primário, que é a economia feita para pagar juros da dívida pública e tentar manter sua trajetória de queda, de R$ 33,75 bilhões no primeiro trimestre deste ano, informou nesta quarta-feira (25) a Secretaria do Tesouro Nacional. Isso representa um crescimento de 31,3% sobre igual período de 2011 (+R$ 25,7 bilhões). O resultado foi influenciado, entre outros fatores, pelo bom desempenho da arrecadação, que subiu 7,32%, em termos reais, no primeiro trimestre deste ano - batendo novo recorde histórico. Meta anual O esforço fiscal dos três primeiros meses deste ano também equivale ao cumprimento de 34,8% da meta de superávit primário de R$ 96,97 bilhões estabelecida para todo este ano. Em 2011, após dois anos de utilização de "manobras contábeis", o governo voltou a cumprir a "meta cheia" de superávit primário. As contas do governo estão inseridas no setor público consolidado, que também engloba os estados, municípios e empresas estatais.

A meta de superávit primário (economia para pagar juros) do setor público é de R$ 140 bilhões para todo este ano. O Tesouro Nacional tem informado que o objetivo deste ano é atingir, novamente, a meta cheia de superávit primário. Justamente com este objetivo, o governo anunciou, em fevereiro, um bloqueio de R$ 55 bilhões em gastos no orçamento federal de 2012. Na hipótese de os estados, municípios e estatais não cumprirem a sua parte da meta, o esforço adicional tem de ser feito pelo Tesouro Nacional – que tem a prerrogativa, porém, de abater os gastos com investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do esforço fiscal. Resultado de março Somente em março, as contas do governo registraram um superávit primário de R$ 7,55 bilhões.
Ao decompor o resultado de março deste ano, o Tesouro Nacional (União) respondeu por um superávit de R$ 9,38 bilhões, ao mesmo tempo em que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) apresentou um déficit de R$ 1,76 bilhão e o BC registrou um resultado negativo de R$ 63 milhões. Receitas e despesas no trimestre Segundo números do Tesouro Nacional, as despesas cresceram menos que as receitas no primeiro trimestre deste ano. No período, as receitas totais do governo somaram R$ 263 bilhões, um crescimento de 13,8% frente a igual período do ano passado (R$ 231,3 bilhões). Um crescimento, portanto, de R$ 31,9 bilhões.

Ao mesmo tempo, as despesas totais, o que inclui os gastos de custeio e os investimentos, somaram R$ 183,4 bilhões em nos três primeiros meses deste ano, com elevação de 12% frente a período equivalente de 2011 (R$ 163,8 bilhões). Neste caso, o crescimento foi de R$ 19,64 bilhões. Investimentos No primeiro trimestre deste ano, as despesas com investimentos somaram R$ 15,7 bilhões, valor que representa um aumento de 23,5% frente a igual período de 2011 (R$ 12,7 bilhões). No caso das despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), estas somaram R$ 8 bilhões nos três primeiros meses deste ano, com alta de 46,9% sobre o mesmo período de 2011 (R$ 5,5 bilhões).